Partnership e Intra Empreendedorismo

Empreendedorismo corporativo, intra empreendedorismo ou simplesmente empreendedorismo, o que significam essas palavras?

Atentes de aprofundar, precisamos entender o que é empreendedorismo em sua essência:

Empreendedorismo é o ato de criar novos negócios, novos projetos, novas iniciativas e novas ideias. Resumidamente é aquele que inicia algo novo, aquele que tira do papel e faz acontecer.

Ou seja, empreendedorismo está mais ligado há atitudes e comportamento de inovação do que essencialmente a criação de um negócio.

De acordo com o ministério da economia os MEIs (Microempreendedores individuais) cresceram 8% no ano de 2020 com 2,5 Milhões de novos registros. Esse número mostra que em mesmo com a pandemia, muitos brasileiros têm esse comportamento empreendedor, onde transformam a crise em oportunidade.

Então por que não fomentar esse comportamento dentro da empresa? É aí que surge o termo Empreendedorismo Corporativo ou Intraempreendorismo

Intraempreendorismo é um empreendedor que não precisa abrir um negócio para criar novos projetos ou oportunidades, pelo contrário, ele faz isso atuando dentro da organização que trabalha.

Vamos pegar um exemplo prático, o Nubank realizou seu IPO (abertura de capital) em dezembro de 2021, acredite ou não, nessa foto não estão só os fundadores, mas também funcionários que viraram sócios da empresa (incluindo um desenvolvedor de software).

IPO Nubank na bolsa de Nova York

Em 2020 o Nubank permitiu que seus funcionários se tornassem “sócios do banco” ao receber ações da empresa, do tipo “restricted stock units” (RSU).

Partnertship – Inovação e gerar valor

Intraempreendedorismo também está relacionado com Partnership, mas o que é partnership?

Partnership é um programa que proporciona a possibilidade do colaborador se tornar sócio da empresa.

Muitas empresas têm dificuldades de engajar um funcionário, de reter capital intelectual, pois hoje nem tudo se trata de ter “bons salários”, as pessoas buscam um propósito maior e tornar um intraempreendedor em dono de um pedaço da empresa faz o engajamento aumentar e muito:

Prefiro ter 10% de um bilhão do que 100% de 10 Milhões – Flávio Augusto

 Esse tipo de programa muito adotado em empresas do Vale do Silício está começando a ser utilizado em startups no Brasil. Algumas Fintechs como XP Investimentos, Méliuz e Nubank adotaram esse programa

Guilherme Benchimol, sócio fundador da XP Investimentos, afirma que o programa de sociedade para os funcionários foi um fator fundamental para o crescimento da empresa (XP investimentos hoje está avaliada em mais de R$ 100 Bilhões)

“Acreditamos que para fazer o bolo crescer é preciso reparti-lo. Sem um time incrível jamais teríamos chegado até aqui”, destaca Israel Salmen, fundador e CEO do Méliuz

Méliuz está avaliada em quase 5 Bilhões de reais, e conta com 23 sócios-colaboradores que possuem parte desse bilhão.

Tirar da cabeça e passar para o papel, tirar do papel e passar para o palpável

Para construir algo grande é essencial dividir os resultados com pessoas que se destacam na empresa, seja ele um empreendedor corporativo, intraempreendedor ou simplesmente aquela pessoa com insatisfação positiva que tem sede de crescimento.

Porém não pense que você chegará nessas empresas cheio de ideias mirabolantes, com muita vontade e vai se tornar sócio. Ser empreendedor ou intraempreendedor é muito mais do que ser criativo e ter várias ideias, na verdade está muito mais relacionado a fazer acontecer, trabalhar e o principal, gerar resultados.

Lembre-se:
O que é premiado é o resultado, não o esforço.

Sobre Jackson Martins 26 Artigos
Aquele cara que não cansa de aprender e estudar! Empresário, Blogueiro, Instrutor e até youtuber. Curioso por natureza, não desisto até aprender e entender como tudo funciona 😜

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*