O peso da tecnologia na guerra entre Israel x Hamas e Ucrania x Rússia

Que a tecnologia está aí para mudar o mundo, todos nós sabemos. O problema é quando ela é usada não apenas para o lado bom da coisa, e sim do ruim. Não é segredo para ninguem que Israel é conhecida como potência mundial em armamentos e por isso “ninguem” vai querer se meter a besta com eles sem um bom plano. Mas como eles conseguem esse feito? E como a tecnologia participa ativamente disso? Fique comigo nesse post, que lhe contarei mais.

Drones

Aqui a tecnologia foi usada em ambos os lados. Tanto Israel como Hamas monitoram o lado inimigo com drones de diferentes capacidades. Além de monitorarem o espaço inimigo, ainda conseguem coletar as mais diversas informações para tomada de decisão.

Cúpula de ferro (Iron Dome)

Um poderoso sistema de defesa antimísseis em poder de Israel. Ele é capaz de monitorar misseis, traçar a trajetória de onde irá cair, e disparar misseis interceptores que destroem tudo no ar. O sistema funciona através de radares e sensores de alto padrão e tecnologia, que monitoram o território Israelense, derrubando cerca de 90% dos ataques que acontecem em vias aéreas.

Armamento

Israel possui o Caça F-35, o mais moderno caça da atualidade mundial. Ele possui vários sensores capazes de criar grandes e amplas imagens do campo de guerra.  Além disso, ele possui uma função “Guerra Eletrônica”, que é capaz de detectar inimigos, se camuflar e interromper ataques.

Além disso, Israel ainda possui o Tanque Merkava MK 4. Ele é capaz de rastrear e neutralizar misseis, antes que eles atinjam o tanque. Possui blindagem especial, e nem vamos falar na capacidade de fogo dele.

Já do lado Ucrania e Rússia, não temos um cenário tão tecnológico igual o de Israel, mas ainda é algo que chama um pouco de atenção.

Do lado da Ucrania, temos robôs não tripulados andando por áreas sensíveis, desarmando bombas de alta complexidade, e coletando informações importantes.

Já a Rússia, usa diversos recursos de espionagem para rastrear atividades de acessos a sites, e até mesmo conversas em aplicativos criptografados, para saber o que a Ucrania pretende fazer.

Voltando a Isarel e Hamas, ainda temos uma participação bem Russa nessa Guerra. Se você é de TI, já sabe que, muitos mais muitos ataques cibernéticos partem da Rússia para o mundo. E nessa guerra, não seria diferente. Temos hackers-pró Hamas da Rússia, atacando o lado Israelense digitalmente, e Indianos pró-Israel atacando o lado de Hamas. (Sim, você leu Indianos).

O que pode nos deixar mais assustados com tudo isso, é que a Tecnologia faz bem, ajuda muitos setores e pessoas. Mas infelizmente, não é sempre pro bem que ela é usada.

Sobre Bianca Dezorzi 89 Artigos
Pós Graduada em Gestão de T.I, estou sempre aprendendo e consumindo conteúdos de Gestão. Atualmente sou Customer Success Manager na BNP e coordeno uma poderosa Central de Serviços. E nas horas vagas? Amo passear na natureza com meus cachorrinhos.

1 Comentário

  1. Situação muito triste essa de guerra, ao mesmo tempo que a humanidade avança em tantas coisas, retrocede em outras.. E a tecnologia mais uma vez presente e com um papel importante, bom seria se estivesse sendo usada apenas como mecanismo de defesa, mas infelizmente, esta sendo utilizada também para coisas tão cruéis..

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*