Como a tecnologia ajuda os atletas nas Olimpíadas Especiais

Em meio a toda a ênfase de uma copa do mundo feminina de futebol, temos também outros eventos acontecendo simultaneamente, que merecem tanto ênfase quanto a Copa do Mundo. Aliás, ainda bem que não vivemos apenas de futebol.

               Em Berlim (Alemanha), acontece desde 17/07/2023 as Olimpiadas Especiais. Esse evento é voltado a competições esportivas de vários atletas do mundo, porém com um desafio maior, os atletas possuem algum tipo de deficiência física ou intelectual.  

               Mas antes que você tire conclusões precipitadas, os atletas que participam deste evento, costumam dar Show nas participações, alcançar vários pódios e já são vencedores muito antes de entrar em cena, pois além do pouco incentivo do nosso país para esportes que não é futebol, eles batalham diariamente com obstáculos que ninguém melhor que eles sabem.

               Pensando em todos os desafios desses atletas, a tecnologia foi usada para ajudá-los de uma maneira bem positiva. Hoje já é possível encontrar a tecnologia auxiliando os atletas em várias modalidades na competição. O auxílio aqui não é um empurrãozinho na linha de chegada, ou nada do tipo, mas sim adaptações que auxiliam os atletas na atividade.

Natação:

               Muitos atletas nessa modalidade são deficientes visuais. E a natação não é apenas nadar. Em cada canto da piscina existem paredes que são responsáveis pela virada do atleta, e chegada do atleta. As pessoas que não possuem deficiência visual, conseguem enxergar em cima da piscina as bandeiras responsáveis por mostrar que a borda está perto, evitando assim acidentes. Porém, quem possui deficiência visual não as vê. Pensando nisso, foi desenvolvida pela Samsung toucas de natação com a tecnologia Blind Cap, tecnologia responsável por emitir sinais vibratórios na touca dos atletas quando eles estão perto da virada, ou perto da chegada, evitando assim acidentes com a borda da piscina.                O acionamento da vibração é feito pelo técnico do atleta, através de aplicativo celular. A seguir, é possível visualizar o vídeo oficial sobre o funcionando da tecnologia

Corrida, Basquete e Rúgbi

               Ambos os esportes são praticados por atletas em cadeiras de rodas. Pensando nisso, a BMW desenvolveu um projeto de cadeira de rodas para corridas nas modalidades de 400 e 600 metros. Feitas de fibra de carbono, permitem que os atletas se lancem em velocidades de 40KM por hora, ou até mais.

               Já no Basquete, as cadeiras de rodas possuem curvaturas de 10 a 20 graus dando aos atletas a possibilidade de execução de manobras que vão além da natureza humana.

               E no Rúgbi, os atletas tetraplégicos possuem cadeiras feitas de titânio ou alumínio, que são super-resistentes a impactos, além de possuírem mais rodas para ajudar na estabilidade das manobras.

Tecnologia em treinamentos

               Os atletas das modalidades paraolímpicas, possuem simuladores computadorizados que são capazes de realizar análises de desempenho, performance além de sensores e monitores de atividades físicas. Além de ajudar os atletas as melhorarem suas habilidades, também são capazes de medir o impacto da atividade no corpo, evitando que o atleta prejudique sua deficiência, ou até mesmo se lesione desnecessariamente.

               Agora que você já sabe melhor como funciona a tecnologia no esporte, que tal torcermos juntos pelos nossos atletas e incentiva-los a vencer mais esse desafio?

               Abraços e vejo vocês no nosso próximo artigo ♥

Sobre Bianca Dezorzi 89 Artigos
Pós Graduada em Gestão de T.I, estou sempre aprendendo e consumindo conteúdos de Gestão. Atualmente sou Customer Success Manager na BNP e coordeno uma poderosa Central de Serviços. E nas horas vagas? Amo passear na natureza com meus cachorrinhos.

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*