“Deepfake” e “Spoofing” não caia no golpe


Em um mundo no qual as tecnologias estão cada vez mais avançadas, já podemos nos deparar com tecnologias sendo cada vez mais utilizadas para o mal.

Receber uma ligação com voz de um conhecido hoje pode parecer normal, mas, também em alguns casos pode ser uma tentativa de golpe. Isso porque, a tecnologia deepfake de voz tornou-se altamente sofisticada, o que pode acabar confundindo até mesmo os mais atentos. É inevitável afirmar que o avanço desse tipo de tecnologia é impressionante, mas, por outro lado esse avanço abre uma brecha para as pessoas mal-intencionadas.

“Exemplo disso foi o assalto a um banco dos EAU, no início de 2020. De acordo com um relatório da Forbes, que se baseia em documentos recentemente divulgados, os autores da fraude copiaram a voz do executivo de uma empresa, através da tecnologia deepfake, para enganar o gerente do banco, levando-o a transferir os 35 milhões de dólares”.

Os softwares de deepfake de voz permitem criar falas sintéticas através de determinados aplicativos, ou até imitar a voz de uma pessoa, tudo isso através de um sistema de rede neural que pode clonar uma voz humana com amostras de menos de 5 segundos, esse modelo pode ser aplicado a um sistema de geração de texto-para-voz, que pode reproduzir qualquer texto usando apenas uma amostra da voz original. Tudo só é possível por causa de um modelo matemático que apesar de complexo torna os resultados fáceis de compreender.

Já existem também aplicações capazes mascarar números de telefone, para que em uma ligação este apareça como um contato já existente de sua agenda. A deepfake pode ser unida a tais aplicações que são chamadas de “spoofing” e podem servir para enganar a vítima ou ocultar a identidade do golpista. Como o termo é ambíguo, a palavra precisa ser acompanhada do tipo de falsificação realizada para que seu sentido fique claro.

Alguns exemplos incluem ARP spoofing (desvia conexões de rede local e intercepta tráfego), Caller ID Spoofing (falsifica a origem de uma chamada telefônica), IP Spoofing (mascara a origem de uma comunicação na internet) e GPS Spoofing (forja informações de localização).

Por esse motivo, sempre que receber um pedido de alguém via telefone, como, por exemplo do diretor financeiro da sua empresa e isso parecer “fora do padrão” tal como transferências de altas quantias, ou até mesmo pagamentos de boletos duvidosos, tente de alguma maneira fazer uma confirmação em relação a essa informação. Pois ainda faltam mecanismos de proteção contra esse método de falsificação, que tem se expandido a cada dia mais.

Sobre Janaina Valim 5 Artigos
Uma economista se aventurando no mundo da tecnologia, fascinada em aprender e descobrir coisas novas.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*